pesquise no blog

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

homogenia

eu roubei a vida de mim mesmo
e agora a poesia não me quer ficar.
nisso de lançar tudo aqui
esqueço como faz para articular
versos a fim de produzir sentidos

canto mudo
a quem? não sei,
nem me escuto

roubei de mim o insumo do dia
roubei de mim a surpresa minha
frente ao ritmo das armadilhas
roubei de mim a fascinação pelas formigas
e tudo então virou romance
consumido no brigadeiro
esquecido sob o cobertor

e agora,
fica vida meio sem vida
fica o verso meio pendente
ninguém se acredita
e eu, mexido
vou me dando pistas:

eu, perdido, vou guiando essa nau
rumo ao fundo
do abismo
ficção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário