pesquise no blog

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Improdutivo

Virtual quimera
escrevo poemas
a ti
lindos,

Virtual jogo
translúcido
transparente
impossível.

Carrego os dias
na ponta dos olhos
na ponta dos olhos
dos pés.

Nada aqui sobrevive

Exceto desejos
(ansiosos, sempre)
ansiosos.

Forma pequena
recrudescimento
da narrativa.

Perdeu-se alguma coisa
e a falta
foi a primeira coisa
Perdida.

Não sinto nada.
Só você.
Que me cruza
em pensamento
em esquinas sonhadas
em memórias ainda
frescas
e sobre a vista
Alojadas,

Saldo

Completei mais um ano de vida.

Às vezes o aniversário demora a funcionar, você sabia?

Sinto o meu novo ano
agindo sobre mim
com força impiedosa,

Vago em meio às ruas
vejo fundo as pessoas
e tudo assim:

no risco exato
de se revelar
em vasta
complexidão.

Eu vejo; não,
não
Não.

Não sou melhor do que antes.

É só que a graça do mundo ficou ainda mais
e mais
Distante.

Por isso um amor,
neste momento.

Por isso um amor.

Hey Now

End of this month
I am here
working fully
working alone

Guess what?

I am working for the future
working to make ways
to love you
in time & space.

Hey, guy
It is not easy

Hey now
It is amazing.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Dobradura

Venta
E tanto
Que o tempo voa
E me desabandono

Ontem
Hoje vejo
Ontem com pés sobre a areia
Dobrei a coluna
E cobri a envergadura
de minha vista
Apenas com o tamanho do céu

Pensei em ti, meu amor
Pensei em nosso abraço
Nessa coisa toda
De amor rima céu
De novo
Redundante
Louco, movo-me
na espreita de teu suor

Venta tanto aqui em Recife
E eu querendo-me fazer
de ave
Para pegar carona
E amanhecer na ponta da sua bochecha
Amassada

Perguntaram-me hoje
É seu namorado?

E eu respondi em sorriso
Por ter sido revelado

Não há mistérios
Fatos são fatos.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

23

se eu me desse confiança
estaria chorando
sobre a louça suja
estaria sonhando
entre o edredon
estaria eu perdido
adiando compromissos
estaria eu fora de mim
te procurando

mas não
não, né
acho que não
não
definitivamente
não

amor
essa coisa
esse nome
essa puxada
constante
sutil
estrondosa
delicada
essa ação
esse músculo
involuntário
que tem seu nome
que cheira seu cheiro
que me consome
isso
essa coisa
esse mundo

isso já está dado
não há nada mais
que possa ser feito

nem freio
nem futuro
é tudo presente

portanto,
sem lamúrias, ok?
sem choramingas, certo?
sem mimimi, confere?

o amor acordou sobre a cama
repetidas vezes
já é tempo de reconhecer
que alguns impossíveis
têm sim
plena condição
de acontecer
todo o dia
e de novo
novamente
entre os segundos
entre os espaços
em suma,
em nossa vida.

é isso
eu acho que é isso
é isso
certo
tudo certo
tudo
certo.

domingo, 6 de outubro de 2013

Tempo

Não faz sentido
Escrever-te poesias
Enquanto tu, poesia mor
Escorre sua presença
Ante ao toque ansioso
Da minha vista,

Fica.

Fica.

Fica, em negrito.
 

As coisas todas

Aqui estou eu, meu amor
Encontrado entre tantas coisas
Suas,

Pelos cômodos da sua casa
Na borda de uma ou duas canecas
Na cor azul escuro
de tuas xícaras

Cá estou eu
Tranquilo e exasperado
Fazendo parte de um mundo outro
que como mundo novo (para mim)
Apenas me solicita uma coisa:

cuidado.

Hoje é domingo
Amanhã será segunda
Depois terça, sexta, quarta, sábado
E finalmente
Quinta,

quando de novo estaremos juntos
juntando ainda mais esse mar imenso
de coisas nossas (coisas minhas + coisas suas)

Percebe?

Estamos ligando os pontos
Com fome e com sono
Atentos e dispersos, estamos firmando o jogo
e as regras pululam querendo ser reconhecidas

Quais são as bases de nossa premissa?

Vamos encontrando
Por entre a roupa suja
Por sobre as cinzas esvoaçadas
Encontraremos o rumo
o fio que assegura o destino
Não todo traçado
dessa ousadia recém começada

Pausa
Pausa para nada
Volto ao dia
Buscando no traço imenso
Do seu contorno
Essa coisa do amor
Essa coisa do contínuo
Essa coisa toda
que não cessa de acontecer
mesmo entendida
ou não classificada

...
     

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

interjeição

é amor.

quanta

energia luminosa
acordo e durmo
tendo sobre o corpo
o seu peso
entre os pelos
a sua prosa

nada mais

acordo e sonho
acordo e me perco
onde estou eu
que não somente aqui
perdido encontrado
entre tanto
- tanto -
beijo

entre tanto
- mais tanto -
abraço

singular

encontro

nem posso me alongar
em elogios

é que esse é o tipo de encontro
que não convém explicar
este é
meu amor
o tipo de coisa
que enrosca as linhas
e nos faz pensar
via ponta dos dedos

pensar com carinho
pensar com cuidado
pensar com seu cheiro
a vigiar
minha inédita
paz
de existir
em meio a este mundo

tornado possível.