pesquise no blog

terça-feira, 24 de agosto de 2010

pos

me abandona, vai

sai de mim, me deixa sem vontade

restar, apenas

exatamente como quem nao quer nada

cansei de ti

cansei de me estremecer por você

cansei de caminhar torto, cansei do olhar sombrio

do soturno do silencioso da depressão do incomodo

voce nao me deu tregua nem medida

contigo tudo excede extravaza entorta a esquina

eu nao quero

sai de mim

me deixa circular bobo por ai

me deixa beijar sem teorizar o que e sentir

me deixa seguir e tombar por surpresa

me deixa nao saber o nome

nao fazer sentido

me deixa um pouco

por um dia

uma noite

 

chega.

para de se manifestar como cobrança

voce deveria ser comigo conquista

eu cansei de ser poço fundo vazio

para as suas elocubracoes

para as suas prosas falidas

para seus romances fora de moda

 

me deixa dormir sem pensar no que poderia ter sido

me deixa exprimir um segundo vivendo nele contido

 

eu nao quero escrever

e digo isso aqui escrevendo

inferno

eu to cansado

eu morri

me acaricie sem palavras

por favor

eu te peço

deixa de ser obra

e me permita ser contigo

apenas mais um pedaco

partido

 

solto por ai

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

c o n v u l s i o n o

nao fiz poeminha de amor
fui leviano com vírgulas e pontos
não quis saber de beleza
estava apreendido
nisso, naquilo, na possibilidade
do seu sorriso
na possibilidade de te causar sorte
aconchego
que estranho passageiro
que coisa louca tudo isso
não me importei com as exclamacoes
tudo saiu bruto pedindo beleza
e e isso
a beleza esta em ti
sou materia bruta
ou como costumo escrever
pagina em branco para o seu
os meus
os nossos desastres:

vamos quebrar, eu te peço
c o n v u l s i o n a - m e.

OSSOS E OFÍCIO

ELAS NÃO SE ACOMPANHAM
NEM EM MIM COEXISTEM
CADA QUAL NO SEU RUMO
E EU NO MEIO
TENTANDO O AGRADAR

QUE DIFÍCIL COMO SE DESAFIAM
UMA RISCA E A OUTRA SE ARRISCA
UMA PULA LINHAS
E A OUTRA SALTA DO ÔNIBUS
SALTA NA PISTA

ASSIM, SEM PESTANEJAR:

ENQUANTO UMA É SONHO
A OUTRA NÃO CONSEGUE FECHAR OS OLHOS
E VAGUEIA BUSCANDO AS METÁFORAS MAIS CONCRETAS

AS DUAS

NO ENTANTO

AMAM ESSA BUSCA

DAQUILO QUE NOS EXTRAVAZA

DAQUILO QUE NOS DETURPA

DE TUDO AQUILO QUE NOS FAZ HOJE
TER GRAÇA.

domingo, 15 de agosto de 2010

bate

gasto-me
sem chance de volta
sem ser mais jovem
sem nem peito liso
rasgo-me, atirado ao fluxo
aos precipícios vários que se anunciam sempre que eu grito
quero imundo ser.

e nisso vou, persistindo nos abusos
que eu faço a mim mesmo
que eu me faço através do seu peito
e da boca do queixo do seu sexo
mutante
passageiro
mas que fica
feito ocre cheiro
mas que fica

na memória eu me concebo
e sei, estou perdido
não me quero achar
estou diluído
nas pernas todas que me visitaram
nas mãos todas que despedaçaram

a minha juventude

escorreu feito vento
foi embora em cada gemido
gozada ao extremo
eu fui recreio

eu fui recreio

e estou só
mexido-enleio
incapaz de temer
incapaz de sentir

tomado
testado
mordido
eu hoje não sou nada

não posso querer ser nada

a parte isso
tenho em mim
todos os gozos do mundo.

CHARGE

meus olhos querem dormir

mas meu corpo tem sede

e inda fome

e inda chama

por corpo outro que não tem nome
que não tem corpo

corpo despovoado
gota d’água pingando

eu aqui dentro do quarto.

pausa.

posa.

possa

ser o que se anuncia

duvidar de toda e cada esquina
mas seguir com insegurança
trepidando a verdade

trepidando a tolerância

não

sim

talvez

(silêncio)

não vou abrir

quero do meu jeito
eu tento agora anunciar
o destino fracassado do meu peito

sim,
careço de transformação

será preciso dizer isso dançando?

será preciso não mais poesia
e somente agora
dança?

sairei.
do quarto
(para fechar a torneira)

da cama
(para gozar solto ao vento)

sairei

para voltar
carregado
nem que por enquanto somente por dentro
feito pilha

preste a melar.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

i’m burning

iluminismo

63

Talvez eu nunca venha a ser um pai realmente…
Às vezes olho essa profusão de versos e me pergunto:
imagine só se fossem crianças, dessas que correm?

Como você sobreviveria?

Eu sou egoísta, eu acho.
Só vou deixar de sê-lo por desautorização familiar, ou seja,
caso irrompa uma criança sob a cama
irrompa uma criança em meio à mesa
de manhã
dizendo

Pai!… A torrada está queimando.

Driver Incompatível

Eu já teria ido
perdido na sua linha
já teria ido inteiro e embalado
pela sua lábia
pela sua raça
por ti, enfim, retinto
à luz desta lua.

Eu já teria ido inteiro
perdido na sua estação
enrolado feito lã em novelo
teria ido sem pausa
sem freio
perder-me de novo
achando-me encontrar.

Teria dito coisas belas
teria feito coisas belas
teria dado a ti, meu bem
as coisas mais belas de todas.

Teria mesmo,
caso existisse um você
não tão suscetível assim ao pular das linhas
um você não todo virtual
um você que tivesse pernas
e força nas pernas
e cor, não pixel
amor, não blur

Enfim,
eu teria tido você
i n t e i r o
não fosse você megabytes
não fosse eu, prazer passageiro
que escorre
e tem por nome, oh, carne.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

como dar fim?...

como dar fim a uma poesia?
uma poesia é uma promessa de mundo.

distanciamento

ora, sim
quero permanecer distante
repleto desses ex-passos que nos preencheriam
um ao outro

quero permanecer assim fraco
cansado, feito poema esquecido
ficar aqui duro resistindo e indo
rumo a qualquer coisa que não seja
mais
o seu encontro.

estou bem daqui onde estou
estou me permitindo estar bem
e não mais sempre em meio ao gráfico
que estava sendo a nossa vida.

eu estou de pause.
eu estou fugindo das rimas
extenuado
cansado
eu estou apaziguando os vícios
dando espaço entre a boca e o tabaco
entre o sexo e as quinas
dos corpos
dos orifícios
dos solilóquios
feitos à mão direita
e assim glosados.

não para ver melhor
nem para apreender o que de perto não se vê.
eu estou me distanciando é mesmo para esquecer
e se distrair
e se enganar um pouco
e não mais sofrer
pelo menos por agora
não mais sofrer

um pouco de pause
um pouco de stop
um pouco de mim
precisa
ficar

sem ir
sem tentar
sem poesia nem rima
nem sala de estar
se você vier
saiba pois esperar
se você vier
saiba pois esperar

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

EMBARGADO,,

toca, despertador
que antes de você acordar
eu já estava vivo e desperto.

toca, infeliz dos diabos
toca essa sua sinfonia sinistra dos tempos
refaz no ar o seu sempre mesmo gesto

que eu estou acordado e flertando o mundo,
sempre novo
sempre novo e cada vez mais indigesto

vai, vê se toca
que eu danço sobre o seu resto
que eu danço em protesto velado
não quero hoje ter hora
não quero ter resultado

hoje eu quero persistir tentado sobre aquilo que me embarga o peito

persistir sobre aquilo
sobre isso
ISSO que falo,

leviatã

MINHA BOCA QUASE SANGRA
POR CAUSA DOS SEUS BEIJOS

QUASE DESPENCA
POR CAUSA DO SEU JEITO
A MINHA BOCA
(nu seu queixo)
QUASE QUE SE ENROLA
QUASE QUE SE MORDE
QUASE SE PODA POR TUDO
QUE SE PASSA EM NOSSOS PEITOS

E SE SE ENGASGA
E SE SE EMPLASTRA
(para se tentar salvar)
JÁ NÃO IMPORTA
POIS BOCA MINHA INDA TE ARROTA
E DEVORA
E TE DEVOTA MAL SE FAZ NOITE EM DIA

É

POIS É

MINHA BOCA
QUASE HOJE SE FEZ EM MEMÓRIA
QUASE HOJE MINHA BOCA FOI SUA
SOMENTE SUA
GEMENTE NUA
VIVA E SEM PELE
MINHA BOCA
AGORA GRITA E SUA
AGORA GRITA ENQUANTO A TUA,

desce para dentro de mim em movimentos peristálticos
para saciar este instante. já ido.

        

then one morning

e eu ainda nem dormi. o dia não acordou, veio junto comigo, preso no olhar e na persistência das vagas. em alguns dias, tudo o que eu quero é fazer poesia. é ir com a palavra amando o mundo e dizendo as coisas, aumentando suas cores, intensificando horrores, indo embora, sem nem saber de nada.

hoje que ainda é ontem – porque não houve sono – eu estou de pé sentado ante ao computador. eu aqui escrevendo outra vez uma sempre nova e idêntica história de amor. amor meu sobre as coisas. amor meu sobre os segundos. sobre a chuva escorrendo rala e lambendo a minha face e o moletom do peito fazendo trepidar o sentimento logo assim amanhece o dia. que dia!

o sol cortando as pernas e esquentando as mãos. sombra. nada demais, tudo como já é. mas se avanço as mãos para perto da janela, sinto inevitável o sol lá de cima esquentando o meu corpo aqui embaixo. é disso que eu falava. é disso que não se é capaz de dizer que eu estava falando.

e agora, essa música indo assim sem fim, indo eu diria de mim. sim. as músicas. que libertas. os olhos, querendo dormir e o corpo rangendo o alongamento que interrompi. onde eu estou agora? com quem? busco algo ainda não encontrado, mas sei o que é? não quero mais perguntar nem mais quero responder.

isso tudo era apenas para dizer bom dia. para dizer bom ao dia. olhar para ele tocando seu vento e fazendo no suspiro o gesto do nosso encontro terreno.

ai, deus. às vezes o tudo é tão pouco. sinto-me…