pesquise no blog

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Extrato

Corpo moído

Por tanto sentir
nada mais ele pensa

Sobrecarga
paciente demência
O uso
o uso deste corpo
Quanta Opulência!

desintegro
deixaria o seu corpo
Mais atlético
pisotear meu coração?

sim, deixaria
sim, já disse,
eu Deixo

deixo de fora o cuidado
eu sem o arraso
adormeço

Arrase, pois, esse instante
deita aqui
sobre essa pele
aperte
morda
dance
Sobre mim
Dance, homem
Dance!

Prólogo -


Derramar.
Deixar o câncer tomar conta da casa.
Para entrar em contato com a coisa.
Para se contaminar.

Escolhemos o pior, talvez.
O caminho mais difícil.
Mas por que acreditar que algo ruim seja apenas negativo?
Este câncer, antes de tudo, é uma possibilidade.

Por isso, derramá-lo.
Por isso, se contaminar.
Para vivermos o problema bem de perto.
Para aprendermos a como – com ele – lidar.

Aqui estamos nós
Dispostos e disponíveis.
Aqui estamos nós: numa fictícia sala de estar.
Para quê? Mais que isso: para quem?

Ora, para vocês
E para nós também.
E apenas por um motivo:

Para vivermos juntos a possibilidade de outro possível.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Resquício

Gotejamento dentro da cabana.

Seria afogamento
Não estivesse o solo deste peito
Tão indisponível.

Naufrágio impossível.

Fora, uma moça caminha pela cidade asfaltada.

Fora, o sucesso dos que venceram a vida.

Fora, ombros tranquilos e muita morfina.

Fora. Tão longe, tão perto, tão isso, tão cego.

Seria um bom jogo?
Saber-se distante da vida social?
Bom jogo seria isso mesmo: ficar quente
Só no dentro?

Imergir.
Não lutar, não correr, não ir.

Ficar, apenas, ficar.

Gotejar incessante.
O mundo te convida apenas aos jogos
De embate.

Não, hoje não quereria.

Chove.

Fica?

Fico.

Mesmo?

Sim.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Possível Abrupto

Súbito estranho
Improvável aqui
Agora, o que dizer?
Você nasceu para mim.

Um óleo no rosto
Uma palavra, apenas uma
Uma irá, talvez, controlada
Nada abrupta, mas ali
Aqui
Ante meus olhos.

Você nasce não porque não tenha existido,
Mas agora eu conheço alguém
Convulsionada com os princípios.

Pergunta.
Você pergunta como pode assim
A vida ser.
Pergunte mesmo.
Pergunte e nisso eu vou
Com você.
Com você.

Vamos desbravar?
Vamos criar?
Eu estou aqui.