pesquise no blog

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

O que você quer dizer

Escreves sem nenhuma cautela
Poderias matar um ou outro
mas não parece que isso te importa

Segues, tu, infinito
Abrindo com seus versos
o mundo e um punhado
(enorme)
de precipícios

Por tal gesto, talvez
Tu pensas fazer bem
o bem que pensas fazer

Mas não

Um instante

Pausa
Espere, um pouco, espera

Teus versos têm poder de matar
e calar
Teus versos têm poder não de curo
mas do câncer que não cessa
(nunca)
de se procriar

Ou seja,
como vamos fazer, meu parceiro?

Quando será o dia
em que usarás a tua poesia
para nascer vida
e não desespero?

---

Isto
Isto que agora escrevo
Isto escrito
já escrito
Não é de todo sincero
é só forma branda
de marcar no blog
e na pele da memória
O seu soluço

incessante

frente ao medo
de fazer da poesia
Um lugar sem serviço.

Se liga, poeta

Se liga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário