pesquise no blog

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Advertência

A mulher da loja da esquina disse ao comprador:
volte ano que vem, quando teremos a bermuda no seu tamanho.

E é curioso o destino de um homem. Ele voltou no ano seguinte, mais gordinho, é verdade, e não é que na loja havia uma bermuda exata ao seu corpo.

Lembra de mim? Perguntou o homem à moça da loja. E olha que curiosa é a vida de uns e de outros. Ela se lembrava dele e por isso sorriu em retorno.

Ele vestiu a bermuda. Ela sorriu novamente, aprovando. Ficaram assim um tempo, enrolando o pagamento da bermuda. Se seria no cartão de crédito, no débito, se seria em dinheiro, não importava.

O que importava era o sorriso mútuo entre ele e ela. O que restava era aquele instante único de silêncio incontido e afeto vertiginoso.

Estar vivo era isso, ora. Não mera compra na loja da esquina. Mas peitos abertos e em livre comércio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário