pesquise no blog

sábado, 10 de novembro de 2012

uma mentira

essa de que vou morrer cedo.

os amigos já não concordam comigo
(um dia talvez até tenham)
mas hoje quando repito o já dito
olham-me com uma cara de nojo
não sentem pena
sentem apenas
riso.

e então eu me rearticulo
para os convencer disso que eu temo:
a possibilidade de continuar vivo.

não
não é poesia

eu luto todo o dia
frente a inevitabilidade
dessa ira minha continuar
sendo viva
continuar ira minha
sendo ida

louca
tenaz
destruidora
e destemida.

vivo
na precisão do segundo
não chegado.

vivo
passo a passo
pronto para o fim.

logo,
como posso acreditar que vou morrer cedo
se morrer
já faz tempo
virou tudo bem pra mim?

Nenhum comentário:

Postar um comentário