pesquise no blog

sábado, 24 de novembro de 2012

para começar

é raro
o instante preciso
em que ao escrever uma letra
eu esteja
comigo mesmo
e com meu tempo
conectado.

as palavras voam sozinhas

levam o sentido
inventam discursos
dizem coisas
que desconhece
o íntimo.

é raro
quando me pergunto

é mesmo isso, diogo?

ou suas rimas
querem apenas
fazer som
bonito?

é isso, diogo?

queres mesmo dizer que hoje tanto faz
queres mesmo dizer que seu peito é tenaz
ou foi apenas fácil
rimar dor com sinceridade?

é isso, diogo?

ou sua poesia já não o diz
ou sua poesia já não lhe faz parte

apenas,
imprecisa
transita firme
entre números marcados
sua poesia
firme
transita
entre firmas
criadas
e nisso
tu nem já sabe?

eu não deveria te dizer, diogo
mas essa cerveja
esse som alto
estourando a possibilidade
deixam a gente
demoníaco como o diabo.

não vá fazer filhos.

não vá fazer mais filhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário