pesquise no blog

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Para a dor me ser.

Sinto-me grande
e capaz de doer.
De ser dor imensa que consome e me faz
cerrar os olhos para a dor
me ser,

Durmo nu
capaz de morrer.
De fazer o que quero mas silencioso
eu escuto o que não pode ser,

essa vontade de sair de si para se conhecer
vontade essa - essencial - de parar de ver o que não está adiante,
sou hoje capaz

e nisso conservo em mim,
olhos-mares desesperados
mãos-abraços potentes
beijos-bocas escarlates

respiro,
toques sem delicadeza
idas feito fossem tiros
saídas feito quebras

e me trago de volta à cama, mesa
e durmo, escondido da noção minha
de que o tempo ainda passa.

se passa que posso ser de mim?
Sou apenas espaço para a dor vir
e me vencer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário