pesquise no blog

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Corpo Pleno Sem Órgãos

Ou que fique plena
feito poesia duradoura
e certeira
ou que me abandone
e não mais me seduza
o olhar.

Ou que fique esquecida
nos livros que escrevi
sem lançar
ou que apenas pisque
e aceite em vida
não ser notada.

Eu não quero carregar comigo essa tristeza-metáfora.
Eu não quero cortar uma veia para fazer verso
Eu não quero pular da janela tentando ser literatura fantástica,
não.

Eu quero ser porto seguro:
poeta impreciso atravancado num corpo homem pleno e sem desastres de cinema.

Eu quero ser coisa inflamável
mas amena
coisa que no tempo se coordena
e sorri seus desvios
a tempo de neles não se perder
de novo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário