pesquise no blog

domingo, 9 de janeiro de 2011

Mãe, me conta uma história?

Ela - O que foi filho?
Eu - Me conta uma história?
Ela - Mas está tarde.
Eu - Por isso mesmo, me conta, vai...
Ela - Mas uma história... Está na hora de dormir.
Eu - Eu quero dormir com uma história na cabeça.
Ela - Não, você tem que dormir com a cabeça descansada.
Eu - Por isso, história não cansa...
Ela - Mas deixa você agitado.
Eu - Pode ser uma história calma.
Ela - Eu só conheço história agitada.
Eu - Pode ser.
Ela - Depois você vai ter pesadelos!
Eu - Eu acordo, qualquer coisa.
Ela - É melhor não.
Eu - Mãe, é só uma história. Rapidinho, eu vou dormir, prometo.
Ela - Amanhã, talvez.
Eu - Agora!
Ela - Sem pirraça!
Eu - Não é pirraça, eu tô te pedindo uma história, você sabe um monte, custa?
Ela - Custa um sono tranquilo e importante para que você cresça como tem que ser.
Eu - Como tem que ser o quê?
Ela - Como tem que crescer, como deve ser...
Eu - Como deve ser?
Ela - Deve ser... É como dizem, tem que ser tranquilo...
Eu - E sem histórias?
Ela - O que foi?
Eu - Para crescer tranquilo a gente não pode ouvir histórias?
Ela - Talvez nem tanto quanto costumam fazer.
Eu - (angustiado) Mãe...
Ela - O que foi, meu pequeno?
Eu - Eu hoje cedo...
Ela - O que tem?
Eu - Eu peguei um livro me desculpe
Ela - O que foi?
Eu - Eu peguei um livro na sua prateleira e comecei a ler.
Ela - Você ainda não sabe ler, rapaz...
Eu - Mas a minha cabeça tá cheia de coisas que eu li...
Ela - Está vendo? Tem que ir com calma.
Eu - Conta uma história, por favor!
Ela - Por que tudo isso, filho?
Eu - Pra organizar. Conta uma história pra organizar essas coisas todas aqui dentro.
Ela - Filho...
Eu - Por favor, mãe. Por favor!
Ela - (angustiada) Eu...
Eu - Por favorzinho!
Ela - Eu não sei... Contar histórias.
Eu - Só umazinha, vai!
Ela - Eu não tenho nada para te contar. Me desculpe.

A mãe se levanta, apaga a luz e sai do quarto. Deixando ali o seu filho, sobre a cama, feito um autor precoce, tentando juntar em sua cabeça, os pedaços. Todos os pedaços que não cessam de quebrar. Nunca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário