pesquise no blog

quinta-feira, 19 de março de 2009

Ato Reflexo

Andava – ainda tão jovem – num apego ao próprio corpo

Diziam – e as pessoas dizem
que esse apego era desprezo
pelo mundo
pelo outro
pelo o que fosse

Num gesto – especulavam
o menino começava o dia já abraçado
sobre o peito um braço pendia dobrado
como se houvesse dentro um mundo que
pudesse ser desvelado.

Caminho – curto ou longo tanto faz – ele fez

Sempre sobre o peito
o mesmo gesto de outra vez.
Numa ou noutra ação do frescor
erguia o braço da sonolência
e sinalizava ao ônibus
e sinalizava aos meninos e meninas
que cruzavam a fascinação de seus dias.

Um dia – pois é só o que agora dizem
viu-se despido já dentro do banheiro de casa
viu-se sem roupa e sem a empregada que lhe assanhava

estava só e como só estava, ousou o não conhecido
ousou descer o braço e fazer-se de bom menino

No dia seguinte a cidade amanheceu assustada

Como podia o menino abandonar o vício sem sofrer quase nada?

E ele seguiu como haveria de ser
Comprou o pão pela manhã
e já no entardecer recebeu a correspondência
tudo ao gozo do braço novo desconhecido.

Todos que olhavam e com ele se relacionavam
tentavam no pequeno despertar algum indício

de dor, que fosse
alguma pergunta que o fizesse retroceder o segmento e voltar a ser
num só segundo
um menino menos pleno.

Passam-se as horas, é verdade

E o segredo que nunca ninguém desvendou
dentro dele se revelava mais e mais

A sensação do novo
mas do novo a partir do passado
Do novo no mesmo corpo em que se tem um retrato gasto
Isso
Impregnava seus dias.

Fazia sentido ou não fazia.
Ele não se importava,
pois o braço ia
avançando
e num sem fundo
desenhava junto ao corpo
o tempo em que ele e o próprio
eram um único ser,

agora deposto
agora ser decomposto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário