pesquise no blog

domingo, 29 de novembro de 2015

como se procurasse um rio que secou e você nem viu

lembre-se
ficar sob o sol
com roupa preta
consome toda a energia
que ainda há.

portanto,
fique sob o sol
sobre o asfalto
de calça escura
camiseta preta
meias pretas
sapatos retinto

e dance
porque nada pode haver
antes de partir
do que isso:

dançar no calor
do inferno que virou
esta vida.

lembre-se
que chorar sobre o rosto
quente alivia e melancoliza
tudo se encaixa
se liberta para, enfim,
voltar à merda
original.

portanto,
chore. chore e não ouse
limpar as lágrimas. elas ficam.
elas são o rastro da sua convicta
desistência. continue.

porque é quase a hora:

talvez você queira comer algo
fumar um último cigarro
não importa
pode, se quiser,
tirar os sapatos

mas não cesse de dançar
enverede por uma rua onde não te vejam entrar
vá conversar com a claustrofobia das matas
sempre dançando
como se procurasse um rio que secou e você nem viu
você seguirá dançando
e nunca mais encontrará coisa alguma
nem mesmo você.

dance
e desmaie.

dance e caia
sobre o chão quente covarde

tudo hoje te invade
porque você desistiu de dar certo
e quis apenas restar.

vês?

quando se quer menos
a vida se abre para te escutar.

tudo quente.
roupa tornada pele.
lágrima foi breve acalento.
pés machucados
sangue no asfalto

vê-se o seu dentro

daqui olhando

de longe

você secou

e este poema, enfim,
termina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário