pesquise no blog

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Prova

Roubaram as palavras
Esvaziaram seu íntimo
Fizeram daquilo que era
Apenas hoje o esquecido.

Tudo morre veloz na velocidade dum apodrecer.

Transformaram o comum
Em ultrapassado
Pegaram valores
E renderam todos eles
Pelo martelar incessante
Dos hábitos.

Brincam de vencer junto,
Mas eles vencem sozinhos.

O que me vale não serve
Ao mundo dado
Porque o dado do mundo
É de novo e a cada manhã
Relançado. Sequestraram!

A palavra revolução.
O amor. Onde está o amor?
Levaram a fisiologia dos corações
E tripa virou expressão 
E não mais corpo em acontecimento.

O mais longe que nos permitiram ir
Foi no susto pouco desdobrado
De um arrebatamento
Uma perplexidade
Uma apatia em rosto grafada

Tudo igual
Ninguém reage com grito sobreposto
À fala: falamos tudo sem dizer nada.

Roubaram-nos a ira desfamiliarizadora
Da palavra.

Eis-nos agora
Frente ao papel imundo
Desta realidade
Eis-nos agora
Sem permissão para fazer uso
Da palavra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário