pesquise no blog

domingo, 28 de março de 2010

ALLDiENCE

Você que vem até aqui
Vem para o quê?
Não creio que venha
para saber de mim.

Não. Desculpe a sinceridade.
Aliás, a culpe se necessário for.
Porque é isso, não?
Você veio se ver só

que em mim refletido.
Esse é o nosso senso de união.
Um vendo no outro o próprio umbigo.


E não há nada de errado.
Aliás, não somos o erro inaugural.
A gente só está tentando se mover.
Mas é difícil
por vezes absurdo
e não faz mal, olha
Pode vir até mim
Venha sentir junto a mim
todo o seu mal.


Façamos encontrar nossas pendências.
Vamos dar no decorrer das horas
tempo
para dançarem destemidas toda e qualquer infelicidade
nossa
para cruzarem imprecisas - mesmo - toda e qualquer uma
memória.


Assim nos daremos a possibilidade da existência.
Assim pelo outro nos daremos a vida
daremos a morte

daremos a persistência.


Deixemos os olhos abertos, pois então.
Nem muito cerrados
nem muito vagos
mas sim e somente sim
à espera de ocupação...

Nenhum comentário:

Postar um comentário