pesquise no blog

segunda-feira, 1 de junho de 2009

através

diz sobre um voto
em silêncio
que eu dou a mim mesmo
permitindo à pele
o seu próprio desbravar,

à pele
eu mesmo consinto o desejo íntimo
do se despedaçar

olho a janela
olho mesmo, neste instante

vejo o que é disforme
na nuvem passante
o tempo sinaliza um frio que inopera
o instante,

por isso tudo é mais agudo
tudo se torna enfim mais gritante
na raiz dos cabelos
no descer da nuca
a espinha traz tontura ao corpo

não há mais nada
neste momento que faça valer

exceto o vento correndo esperto
pela planície do corpo excitado
excitado pelos segundos
corrompido pelas horas
através do relógio
há que me dizer
o que fazer neste agora

há que me dizer
e agora? o que pode haver
e agora, o que pode?
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário