pesquise no blog

quinta-feira, 14 de maio de 2009

v o l t e i o

resplandece sobre mim
um ato invonluntário
eu sou fruto de minhas escolhas
mas porque não ser tudo isso
ao contrário?

quem inventou o peso de uma
ou outra
responsabilidade?

com que balança mediram
o que hoje se tornou
em mim
inevitável?

penso. peso.
não estaria mesmo errado?

alguém na multidão enlouquecida
gritou! aos saltos
está errado! tudo errado!

foi um vislumbre, eu vi
um trecho de homem protestando
um trecho de homem revoltado

ali, no meio da multidão
no volteio de uma mão
- qualquer -
o homem foi morto
silenciado.

eu volto hoje, então
ao chão sob o qual ele aglutina
eu sinto não sei dizer eu sinto
há mais do mundo nele do que ele imagina

eu volto, hoje, ao pensar
eu volto não sem pesar
que incongruêcia é essa
a demarcar
os homens
seus medos
seus medos não terminam
morrem uns ou outros
para de novo fazerem germinar

um horror pleno no amanhã
no amanhã sempre um novo horror
será
possível será presente.

por isso grite
grite você homem qualquer
grite nessa multidão
inconsequente
grite o canto
cante a dentes

gRItE!

pois no próprio meio

da multidão que o incontiver
serás assassinado
serás visto aos pedaços
serás a possibilidade concreta
daquilo que hoje
já não mais se é
já não mais se saber
ser
ciente.


ser ciente.
.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário