pesquise no blog

sábado, 18 de abril de 2009

em você por inteiro

Eu estou seguro com você
eu tropeço eu cambaleio
eu estou seguro
em você por inteiro
eu sigo
desse jeito

Nosso tropeçar alterna o passo
hora é você quem cai
noutra sou eu em seus braços
assim
nesse compasso
a velocidade dos corpos
desejos
se atropela
e ser atropelado nunca foi tanto
gesto bom autoritário

Eu peço
deixemos os corpos assim sonolentos
refazendo em cada bocejar
novo arranjo de pernas
e pêlos

Nós dois primeiro
não há pretexto
não há futuro
há só um cheiro
perdido entre os meus segredos
em ti desvelados
em ti,
despejo-me inteiro
e não há palavra que possa dizer
isso que no silêncio do toque
ousamos criar
fazer nascer,

Vale o segundo
na vida uns segundos
nada mais
as horas que passam
nem todas elas são viver
no segundo
preciso tempo medido
o corpo resta vivo
e ser resto
é mesmo tudo ou quase tudo
que eu preciso

Avance
não fale nada
façamos do silêncio nosso abrigo
e nele ouviremos apenas o gemido
fosse gemido o grito incontido
mas doce
mais amigo impossível
no gemido
eu sei o incomunicável do seu íntimo
que se expande e voa além
do que os braços e peitos nossos
podem habitar

Eu estou indo
não precisa falar
eu me levanto
eu visto a roupa devagar

(e entre olhar a meia ao avesso e o seu corpo despido
eu oscilo)
não há que se olhar para trás
não há que se dizer adeus
um mútuo agradecimento
tinge a pele
e esquenta o dia
e no dia há vida
porque na vida
hoje
tive você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário