pesquise no blog

quinta-feira, 30 de abril de 2009

dimensão

eu olho através dessa mesma janela
e o relevo das formas me inquieta
como pode nele haver essa paz
mesmo discreta,

como pode no morro ali da frente
haver um silêncio rangindo entre os dentes
de rochas duras quentes lodeadas

como pode ali na frente da montanha
o céu descer pleno sem revoltância
chocando a chuva e cantando esta noite
que nasce manhã amena

como pode?

eu sendo assim desse tamanho
nesse mundo que por certeza
me é mais muito grande
como eu posso
então
mirar o céu sem cegar
mirar o chão sem cambalear
e se no cambalear for
como nele fazer minha imensidão

como?
eu pergunto sem resposta ou pretensão

eu pergunto
e faz-se chuva ou faz-se chão

as coisas vão e revolvem
e essa talvez seja a condição

ser adubo para a postergação.

adubo para.
independe a destinação.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário