pesquise no blog

sábado, 26 de dezembro de 2015

A Mudança dos Anos

Um termômetro é o Natal
Em família.
A ceia, as conversas
Os olhares, as coisas que persistem
Através dos anos.
É uma medida, isso, de se ver em família
E de se estranhar
E de se reconhecer
E de ver nos outros, seus familiares
A diferença que você tanto cavou
E que te fez
E que agora te faz ser.
É bonito e grave, ao mesmo tempo
Saber-se parte
De um projeto que te machuca
Mas que te compõe
Você não saberia ser outra coisa
Caso não fosse também
Isso que tanto já lhe deu desespero.
O irmão
A irmã
A irmã outra
A mãe
O pai
A família toda
Há que se aceitar
A possibilidade do perdão
E a duração necessária
Para que a família assimile
A sua própria modificação
Que não cessa
Não cessou
Nem cessará.
Penso que uma família vire família
Sempre que se permitirem
Ouvir
O que não quiseram nunca escutar.
Sempre que houver habilidade
Ainda que débil
Temerosa
De contar o que cada um é
De se revelar.

Neste fim de ano, mais que no anterior,
Estou aqui inteiro, transbordando meu amor
Estou inteiro posto esteja claro
A todas, a todos
Quem eu me tornei
E o que desejo a partir deste instante:
Amor,
Amor,
Família,
Primeira diferença
Que nos sucumbe

E funda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário