pesquise no blog

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Me Doo

senta aqui, não tem pane. a gente só tá aqui por causa disso mesmo. disso que ainda nem sequer fizemos. sim, eu não vou falar as palavras que reduziriam, sem dúvida, esse nosso momento. escuta essa música. não é foda? eu queria ter dito fofa, mas tudo bem. eu não estou confuso. meu coração tá querendo explodir, mas é por você. não vai jorrar sangue se isso acontecer. vai jorrar alegria. vai jorrar uma puta energia que ninguém viu na vida. vai ser um descontrole, por isso vamos com calma. para que o descontrole possa durar. olha eu aqui. do seu lado. nessa cama imensa. como ficamos pequenos, não? eu te achava maior. eu sem dúvida fiquei menor ao entrar aqui. é que sabemos o que queremos mas a língua se enrolou. eu aqui te falando disso para evitar falar a palavra amor. ela sem dúvida simplificaria todo esse horror que a gente tá vivendo. viu no que dá? eu quero ficar aqui e me sentir doer. tá tudo certo, eu gosto. eu sinto falta. de ver meu corpo ir morrendo na sua boca. de ver meu corpo rangendo por causa do amor. ele grita, você ouve? é impossível não ouvir. ontem sozinho eu fiquei pensando. por que está tudo assim tão quieto? era porque você não estava aqui. e eu depois fiquei fazendo ficção, tentando imaginar o que o meu corpo queria dizer com todo aquele silêncio, com toda aquela prosa cosida. sabe? eu quero ficar e escutar isso de novo. e tá tudo certo, porque eu amo o jeito que a gente se ama. eu amo. sabe? eu falo muito sabe, né? não precisa responder. eu aqui te olhando nos olhos e me envergonhando vale muito mais do que saber alguma coisa. e se eu tanto te pergunto sabe, eu acho, já deu pra ver que eu não sei, né? eu quero ficar, quero queimar aqui, porque eu gosto do jeito como isso dói. eu gosto do jeito como isso pode doer. e eu me doo. por mim por ti por nós dois por tudo isso que disse antes, eu me doo. sem medo. sem nada exceto esse ir. que vai. que não quer cessar. que cega que puxa que traga que pode acabar, mas... que não importa. que não importa afora este ser e estar. eu gosto. eu quero ficar.

Um comentário:

Dominique Arantes disse...

"a palavra amor. ela sem dúvida simplificaria todo esse horror que a gente tá vivendo"

Ai Di..
você e suas palavras..
Ai ai...

Postar um comentário