pesquise no blog

domingo, 31 de julho de 2011

No Lago

Está escurecendo
ele se aproxima
hoje mais lento
do que ontem,

Ele posiciona os dois pés
nus
na borda
cimento-água
Ele ainda não sabe de nada,

A luz se fecha um pouco mais
nos seus olhos, porém
escuridão rima com seguir,

Ele adentra o espaço da água
e sente a própria lhe dizer
venha a mim, submergir.

Falo agora com a boca ainda livre
ainda agora foi-se o peito
os ombros manchados
foi-se a adolescência
e o ferver
da genitália.

Tudo quase está submerso
mas ele segue
hoje mais lento
que ontem,
rumo ao centro.

Que pode haver
num esconderijo d'água?

Ele avança
e se falo agora
é só porque minha boca
ainda não foi
afogada.

Morreram-se os braços
as mãos e os dedos,
todos,
hoje,
já morreram.

Mas ele segue
ciente do pecado
que hoje
parece ser
ele mesmo.
                       

Nenhum comentário:

Postar um comentário