pesquise no blog

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Epifico

Toda vez que o silêncio me chega
E frente a ele eu não me comisero
É pois como se no invisível do encontro
O baile "eu nu mundo"
Despisse seu ornamento aderido
E fizesse da fala

Apenas arrepio longo e vigoroso
Choque brando
A mover pelos
E agir abortos,

haverei então de brindar o mundo
com densidade de lágrima
Brusco atingida:

Haverei de tocar o mundo
Por inteiro sem mover o olhar
nem mais rima

O mundo por vezes me habita
E nele é onde por vezes
Eu quero durar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário