pesquise no blog

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Material

No entanto, você não percebeu, que o sentido está nas coisas?

Não, eu realmente não havia percebido.

Tudo gira em torna de coisas, você não percebeu?

Não. Eu não percebi, quer dizer, eu não olhei. Quer dizer, eu olhei, mas não querendo ver isso, entende?

São coisas para tudo o que há, para todo o seu silêncio sempre uma coisa haverá.

Eu tenho dor na cabeça.

Assim como os remédios. Exato. Para cada coisa inventa-se um novo deles.

Um novo o quê?

Dor de cabeça, você disse. Poderia lhe citar inúmeras coisas que o curassem. Mas a questão é: de onde surgiu essa dor? Aliás, a questão talvez seja: não pode deixá-la passar no decorrer das horas?

Não, por favor, está doendo. Quero matá-la ainda agora.

É justo. Justíssimo. Porém, não vê aí o seu desejo da coisa acontecendo?

Que coisa é essa que você tá falando? Eu só pedi um remédio.

E nem pediu. Fui eu a dizer que poderia te dar...

Coisas. São só coisas. Seu dia não é melhor porque você comprou um lápis novo.

Você rouba? Você tem cara que rouba.

Não!

Mas já roubou, não?

Não! Como assim?! Caramba, que papo chato.

Não, não, não, não, não. Não fuja agora! Não fuja de mim. A noite já chegou e já tá passando e tudo o que eu quero é um copo de coca-cola. É poder falar coisas banais com você.

Não se perguntou que talvez eu não estivesse disposto?

Não me perguntei. Se perguntar demais é exagero. Eu vou logo é fazendo. E o que vier, virá vivendo.

Ai, começou.

Pára você de usar verbos com "ar" no final.

Primeira respiração.

Conjugação!

Eu dou o nome que quiser. A coisa é minha, você que vá embora.

E a casa é minha. E já passou da hora.

De quê? Pára com isso, vai sujar o carpete.

É um tapete. E novo. Na verdade é usado. Mas é novo aqui. Não tinha antes.

Tudo bem, novo ou velho tanto faz. Vai sujar o carpete...

TAPETE!

Ok. Você sempre vence, não? Chato!

Espera aqui. Vou buscar coca. Quando voltar, provocarei um desvio no seu septo nasal.

Que coisa louca, gente!

Isso, isso que você disse foi bem natural. Nem parece que você tá incomodado, viu?

Irônico.

Sonolento.

Bruxo.

Rabugento.

Rimas fáceis.

Faz um filho comigo?

O quê?

Então fura o dedo!

Pára com isso!

Um pacto?

Ai, você - definitivamente - é u ó.


Foi buscar a coca. Quando voltou até a sala, se assutou ao ver o outro e deixou o copo no chão cair. No chão sobre o qual o tapete-carpete adormecia. Agora, mijado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário