pesquise no blog

sábado, 19 de janeiro de 2013

Pardo

Escureceu
o desejo.
Silenciou
o íntimo

e se percebeu amigo
do sossego.

O branco
que antes lhe chamava
Perdeu sua força
o branco ainda que tarde
sempre parda.

E ficou
inerte sobre a mesa

Ficou imóvel
feito certeza.

Até que um dia
amanheceu o menino
cansado da fumaça cigarro

E se viu no pardo papel refletido
E achou prudente
Passar a navalha sobre o rosto
para facilitar alguma fidelidade
do espelho opardo.

Amanhã se chover, pensou
Eu atravesso o papel
e em versos
Me refaço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário