pesquise no blog

sábado, 26 de novembro de 2011

buscar

sem nem perceber a gente vai
de repente estaca
vendo enfim que só há mesmo
a tentativa
e então você volta
e ele lá da ponta se anuncia
amanhece
anoitece
e é no meio
é só na tarde
que as coisas se enzimam
e o desejo se converte
em projeção.

a coluna se dobra e desdobra
as dores silenciam um instante
por favor, ela pede ao garçom
eu não posso arcar com o prato quebrado
ele diz ser regra da casa
ela informa, saliente
eu não moro aqui.

eles se olham

que confusa abstração,
essa pela qual a poesia
tenta servir de contraponto
tenta servir de tiro
estímulo
salto
a não-perdição.

ele queria tentar ser grande
não para a mãe
nem para o pai
hoje ele queria ser grande
para num abraço gigante
caber sempre mais um
poder caber sempre
mais.

e então busca
busca sem fim
nem começo
ele busca
ela busca
o outro ser
lá na ponte
na ponta
na estação
no meio busca
e isso diz respeito ao nosso tempo:

somos feitos de desencontro

ou

somos feitos de encontro

e no meio do caminho,
tentamos não ser pedra
tentamos – talvez –

ser vento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário