pesquise no blog

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Alguma coisa

Bem sabes que a moral te comeu
Que a poesia virou número, Diogo
Que a franqueza ficou pálida
E que o amor desceu ao fundo.

Bem sabes tu que a sorte
Guarda a sua confissão não confessada
Que algo te preserva, Diogo
Ainda que tu vivas essa mentirada.

É sensato perguntar se haveria
Outra forma se teria outra maneira
Para negociar com sua existência
O fato de ter apreendido a odiar.

Eu aprendi a te odiar, caro outro
E assim domei minha dor
Te fazendo sair de mim
Para que eu pudesse suportar
Continuar vivente.

E aqui eu estou.
Rendido frente à demanda
De ser franco o suficiente
Para florescer a dificuldade
Que é isso de amor antes
Desamor depois
Que é isso de poder te abraçar
Sem pesar se isso serve a ti
E deserve ao meu orgulho.

Que difícil. Alguma coisa
Quer me refazer e eu, a princípio,
Não sei lidar.

Eu não sei ainda.

Eu preciso aprender.

Eu desejo praticar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário