pesquise no blog

sábado, 19 de março de 2016

Helena

Ei, amiga
Nunca fez tanto sentido
A minha insistência
Em te chamar de Helena.

Volto aos gregos
pois em ti sobrevivem
Odisséias.

Tua fala, teu gesto
Seu silêncio em soluço
Tudo seu movimenta
Os tempos já vindos
E por vir,

Ter você perto
É voar sem consentir.

Se te quero escrever as palavras mais lindas,
Nem me importo
Porque sua presença me move
Ao que nunca jamais será definido.

Traços vagos e marcados
Esboços improváveis
Certezas moles e irrevogáveis
Tudo em ti se procria
E ser o mesmo
É ser nômade.

Tem uma beleza em você
Que hoje como ontem e sempre
Eu desconheço.
Mas ela pisca, me chama
Brinca de esconder e se mostrar
Tem uma beleza sua
Que não descansa
E não cessa de se renovar.

Se sei o que escrevo?
Nem imagino.
É que ao seu lado
Também eu me atualizo
Porque sei que é possível
Durar uma conversa
Aprendendo a te ouvir
Aprendendo a ir, viajar, ei,

Amiga

Eu não queria te contar, mas
Sou amigo

É que a sua luz é tão intensa
Seu brilho é tão tanto
Que só lhe resta a reserva
De se desmerecer um bocado.

Pois se você por si não se apaixona
Então fique bem
O mundo a ti se dobra
E por ti se desdobra.

Te amo renovado
Você é vento que não dorme
Você é papo sério justo porque
Não tanto elaborado.

Eu seria todo mundo se você
Me houvesse como em mim você há.

Eu sou. Logo,
Você me há.

Para Caroline Helena

Nenhum comentário:

Postar um comentário