pesquise no blog

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Desculpe

Mas vou dizer

Nem devia pedir desculpas
Mas é o hábito
É o hálito
Sujo
E incapaz de se refazer

Não vem
Não venha
Não fodendo
Nem foda-se

Dói mesmo, comparsa
Pare então de querer se abster
Essa poesia se repete
Até quando?

Até quando eu tiver força
Para lhe dizer
Isso
(que eu ainda não sei).

Nenhum comentário:

Postar um comentário