pesquise no blog

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Tudo está guardado

Como amuleto
sagrado.

Como algo que não costumo fazer
mas que agora
exige
solicita vida a cada segundo.

O que tenho a te dizer eu repenso a cada segundo
Por isso talvez demore
a lhe dizer

O que me faz ser
neste momento
o que tenho sido

O que me faz estar assim
tão impreciso.

É muito mais do que dispor estas linhas
mais até do que gastar nossas vidas
- no fim, elas desgastam-se mesmo -
- no decorrer, são feitas do desgastar -

Portanto,
não leia nada que aqui esteja

É mesmo espaço da poesia
e neste espaço
ela me coordena
ela me condena
quando diz algo que talvez eu não queira dizer

Porque o que é seu está guardado
ainda tem véu respeitoso
invólucro adornado

Tudo o que é teu
e que é nosso
com o tempo será gerado
aberto
despetalado.

Estou tão perdido quanto o começo de um fim não anunciado
Mas me divirto nessa perdição
e o meu tempo é todo tão abstrato.

Estou sendo, no gerundismo mesmo, assaltado
a todo o instante
por duros semblantes
e continuo
firme
mas perdido

Portanto
é desse meu tempo preciso
que preciso dizer

É nesse vagar incontido
que preciso ir me perder.

Aqui são só palavras
com todo o respeito
mas quando lhes der asas
sairão de mim
diretamente para seus ouvidos

Agora
há espera

não olvido

não cinismo

isso nunca

[...]

Nenhum comentário:

Postar um comentário