pesquise no blog

domingo, 28 de setembro de 2014

Kafka por Jeanne

Não tem problema.

Não, não entendo.

Por quê? Eu deveria entender coisa alguma?

De escada. Sempre de escada.
Jeanne subia e descia a Instituição
levando de mão em mão
Caixas e mais caixas com papéis
E eventualmente
(ela não entendia)
Cachos de uva.

Uva verde.

Não entendia.

Mas por que você quer entender o porquê das minhas idas e vindas?

Ninguém respondeu.
Subiu mais um lance.
Ninguém a perguntava nada.

Seria o calor do dia
O frio do ar condicionado
Seria a menopausa estacionando nela
Seria o filho que não teve tempo para ter.

Jeanne parou: 89...

Como é que se falava?

Octogésimo nove.

Octógono nono.

Nada.

Ninguém lhe disse nada.

A testa suada, Jeanne percebeu:
estava a se permitir ser arguida
por Kafka.

Nenhum comentário:

Postar um comentário