pesquise no blog

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Aquilo que você me oferece.

Penso sobre as flores.
Observo as que pendem
dos galhos que atravessam a janela
E floreiam o dentro cá de casa.

As flores, observo-as,
enquanto dentro de mim
um rio de palavras
corre e adultera

a margem do que eu já sabia.

Elas estão ali.
Preservam o já sabido
mas é em meio ao vento
que uma pétala toca a outra
e nisso abrem-se
sorrisos nunca antes vistos.

O seu amor, corazón
Faz em mim a mesma coisa.
Escreve outras formas de enlace
Me convida, sempre renovado,
ao encontro-embate
do abraço.

Penso nas flores.
Eu quase as chamo
para que invadam a minha sala
e me comprovem, de fato,
que há muitas formas
de ser quem se é
e de continuar amando.

Elas estão aqui.
Eu lá. Lá no longe
não porque fora daqui
mas é porque no longe
eu me vejo renovando
o que é para mim
aqui
agora
ser
e
estar.

Penso nelas. Penso em mim.
Penso em você.

Penso como quem dança.

Não há melancolia.

O amor - sem nome - que nos encontra
precisa sempre de novo nascer a cada dia.

É isso o que temos.

Que bello.

Nenhum comentário:

Postar um comentário