pesquise no blog

domingo, 3 de agosto de 2014

Tomar Distância

Por favor, disse o rapaz, eu preciso tomar um pouco de distância.
Não entendi, respondeu o outro.
Tomar um pouco de distância.
Você quer tomar distância?
Sim.
Mas tomar no sentido de beber?
Pode ser.
Espera.
Eu não aguento mais esperar.
Distância líquida?
Vivemos em tempos líquidos, não vivemos?
Dizem os filósofos que sim, não dizem?
Dizem.
Então...
Entendi.
Distância líquida, por favor.
Garrafa ou copo?
A maior dose que você tiver para me dar.
Certo.

O outro sai para buscar a distância (líquida) e volta. Ainda em dúvida.

Uma pergunta?
Faça.
Por que você quer tomar distância?
Para enxergar melhor.
Entendi.
Enxergar melhor o que está acontecendo.
Entendi...
Entre a gente.
Já entendi. Já entendi...

O outro sai para, finalmente, buscar a tal distância. Ele cruza o bar inteiro, entra - sem autorização - na cozinha, cruza os fogões, passa batido pelos refrigeradores e funcionários. Ele abre uma pequena porta e sai do restaurante.

É noite. Faz frio. O bar estava cheio. Ele também está cheio. Cheio de coisa que não sabe compreender. Ele não hesita, ele vai, ele entra no parque em plena madrugada. Quase não se vê quem cruza o gramado, mas é ele.

Ele vai embora. Ele vai buscar a distância e, passo a passo, pensa: eu preciso criar distância para poder coloca-la em minhas mãos. Eu preciso criar distância, por isso ele caminha, tenaz, sem dúvida ou hesitação.

Olha as pernas cruzando o gramado. É noite. Faz frio. Agora ele vê apenas o que vem imediatamente à frente dos passos. Não há futuro. O que há é apenas este passo e mais esse e esse outro e mais um e mais este e outro mais, mais e mais passos até sumir na escuridão dessa noite.

É já manhã. O corpo cansado ainda caminha. É uma estrada, uma rua longa e sem prédios ou casas por perto. Passa um carro, veloz. Já está amanhecendo. Ele despenca ao chão e ali fica, meio entre o asfalto e a escassa relva.

Ele, pela primeira vez, chora. E olha para trás. O olhar, os olhos, todo embaçado de lágrimas. Ele tenta ver o caminho mas andou muito, muito, sem parar, desde que seu amor lhe pedira alguma distância.

Ele chora até secar a vista. Ainda bem que estou bem agasalhado. Ele pensa coisas de maneira autoritária, quer dizer, as coisas se pensam nele, através dele. Ele não sabe domar o pensamento. Não mais. As pernas doem num grau que toda a sua atenção existe apenas para aquilo que sente. E doem os joelhos e os olhos, entre ressequidos e marejados. Onde eu estou, ele se pergunta.

O bar é fechado. Fora, sem maço de cigarros, volta o outro rapaz para casa. Depois de muito esperar por alguma dose de distância. Ele olha ao redor. Talvez tivesse demorado a sair porque saberia que o encontraria lá fora, a sua espera (o seu amor, a sua espera). Mas eu pedi distância.

E agora?

Silêncio na rua.

Entre eles só um mapa - imenso - capaz de dizer como fazer de novo o encontro acontecer.

...

E acontecerá.

Não se preocupem.

É só um espaço importante e necessário, esse, o de tomar distância.

...

Nenhum comentário:

Postar um comentário